Fomos salvos por Cristo. E agora? O que fazemos com o Antigo Testamento?

Se fomos salvos pela graça, o que fazemos agora com a Lei?

Por Arlan Dantas
Categoria: Devocionais

Nessas últimas semanas estou tendo a honra de participar de uma série de estudos com uns amigos sobre o livro de Romanos e tem sido muito recorrente a discussão sobre Lei e Graça. Quando observo a quantidade de vezes que esse assunto é tratado no Novo Testamento, penso que não é por acaso que os primeiros cristãos falavam tanto sobre isso. E quando observamos as discussões que nos cercam hoje percebemos que essa mesma discussão continua exatamente idêntica! Quantas vezes você já não viu um não-cristão "ridicularizando" os cristãos por dizer que a Bíblia é muito "retrógrada" ou que os mandamentos e histórias que estão nela são "ridículos"? Ou até mesmo viu alguém dizer que os cristãos não acreditam na Bíblia, uma vez que "não seguem por completo tudo aquilo que está escrito lá"!?

Essas acusações, em grande parte das vezes, vêm de pessoas que ainda não se deram conta que a Bíblia cristã, além de ser uma obra única, está dividida em duas partes: Antigo e Novo Testamentos, e a "fronteira" entre estas duas partes se dá pela presença do personagem principal de toda a obra: Jesus Cristo.

Toda a obra da Bíblia, desde o seu primeiro versículo ao último irá falar sobre Jesus Cristo. Desde a narrativa da criação (Gênesis 1-3) à narrativa do fim dos tempos (Apocalipse) o assunto principal da Bíblia é Cristo. Deus usa toda esta obra para nos mostrar que somos dependentes dEle e que jamais conseguiremos atender a todos os requisitos impostos por Ele para uma vida de comunhão com Ele usando as nossas próprias forças! Sempre que o ser humano tenta atender a esses requisitos sozinho, dá errado!

E os textos do Antigo Testamento são exatamente uma "introdução" (estou procurando uma palavra melhor para colocar aqui) a isso tudo, visto que é nessa primeira parte da obra que Deus usa para mostrar como tudo começou por meio de narrativas e apresentar quais são esses requisitos que Ele exige dos seres humanos para que nós tenhamos uma vida de paz com Ele! Essa lista de requisitos é chamada de "Lei" pelos autores no NT (Novo Testamento) e está espalhada em meio às narrativas ao longo de todo o AT (Antigo Testamento), tendo como uma de suas principais partes os famosos Dez Mandamentos escritos pelo próprio Deus em tábuas de pedra e entregue a Moisés (Êxodo 20).

Quando criou o primeiro homem (Adão), Deus apresentou a ele um requisito para que pudesse viver ali com Ele (Gn 2:16-17) e disse que se o homem não atendesse a esse requisito, certamente morreria. "Não atender o requisito apresentado por Deus" é o que a gente chama hoje de "pecado", por isso é que Paulo vai falar em Romanos 6:23 que "o salário do pecado é a morte".

Avançando de Adão, podemos dizer que a Lei, basicamente, é o detalhamento do que Deus requer de nós para que tenhamos possamos viver com Ele. Assim como Ele apresentou o requisito para a vida de Adão no Jardim do Éden, ao longo da história Deus vai mostrar o que requer para as demais áreas da vida do homem para que este possa agradá-Lo por completo. Sendo assim, toda e qualquer atitude que não atenda a alguma desses requisitos se constitui pecado e, assim como Adão, faz com que a gente não seja digno de viver com Deus, então somos dignos da morte, da separação eterna dEle.

Portanto, ninguém será declarado justo diante dele baseando-se na obediência à lei, pois é mediante a lei que nos tornamos plenamente conscientes do pecado. [...] Não há distinção, pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus.

Romanos 3:20,22-23

O grande problema é que, como eu falei no início do texto e Paulo também diz no v. 23 de Romanos 3, todos pecaram! Todos nós somos dignos da separação eterna de Deus e a Lei nos prova isso! Ela jamais vai fazer a gente digno da vida com Deus, pois é ela quem nos mostra o que é pecado e sempre vai mostrar que mesmo que a gente obedeça a algumas coisas, vamos desobedecer a outras.

Além disso, Jesus, enquanto estava aqui na terra como homem, nos mostrou que os requisitos/ordenanças apresentadas por Deus por vezes é mais profundo do que nós pensamos (Mateus 5-7), quando Deus nos orientou a não matar a outro ser humano, por exemplo, segundo Jesus, só o nosso ódio pelo outro já é desobediência a este mandamento.

"Vocês ouviram o que foi dito aos seus antepassados: ‘Não matarás’, e ‘quem matar estará sujeito a julgamento’.
Mas eu lhes digo que qualquer que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento. Também, qualquer que disser a seu irmão: ‘Racá’, será levado ao tribunal. E qualquer que disser: ‘Louco! ’, corre o risco de ir para o fogo do inferno.

Mateus 5:21-22

Sendo assim, a principal função da Lei é mostrar que somos pecadores. Mas, como eu disse, toda a Escritura tem como foco falar de Jesus Cristo e não é diferente com a Lei, uma vez que, como vemos, é ela quem nos mostra que somos pecadores e dignos de morte e Jesus é exatamente a solução para esse nosso problema de separação de Deus.

Jesus foi o único ser humano que atendeu à Lei por completo, Ele atendeu a todos os requisitos apresentados por Deus. Além disso, morreu injustamente se entregando para pagar a dívida que nós, pecadores, tínhamos, a culpa de morte pelos nossos pecados Jesus levou sobre Si. Ou seja, somos considerados justos diante de Deus e dignos de uma vida eterna com Ele pois Jesus "morreu a nossa morte para vivermos sua vida".

Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, por meio de quem obtivemos acesso pela fé a esta graça na qual agora estamos firmes; e nos gloriamos na esperança da glória de Deus.

Romanos 5:1-2

Isso quer dizer que a condenação que a Lei leva aos pecadores não se aplica mais a nós. É isso que os autores do NT querem dizer quando dizem que "não vivemos mais debaixo da Lei e sim debaixo da graça", pois além da condenação da Lei não se aplicar mais a nós, somos considerados justos sem merecer, pois foi outro quem pagou o preço que nós deveríamos pagar, recebemos isso "de/pela graça"¹.

Pois o pecado não os dominará, porque vocês não estão debaixo da lei, mas debaixo da graça.

Romanos 6:14

Então se o AT é uma "introdução" para falar de Cristo e a Lei é quem nos mostra que somos pecadores mas nós já entendemos porque foi tão a morte Cristo e assim fomos livres da condenação da Lei, então quer dizer que podemos desconsiderar por completo tudo o que a Lei nos fala? Não! Com certeza não!

Para falar primeiro do AT como um todo, ele não deve ser considerado justamente por ser uma "introdução"! Mesmo que venha antes da parte "mais importante", as histórias do AT são histórias compõem o "todo" da Escritura, logo é tão importante como todo o resto. Além disso, no AT encontramos histórias que nos são inspiradoras e que nos ajudam a entender melhor o nosso Deus e a forma como Ele interage com Seus servos.

De maneira que a lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificados por fé. 

Gálatas 3:24

Quanto à Lei, como disse, ela é quem nos mostra como somos pecadores. Como Paulo fala nesse versículo aí acima, ela serviu de "aio" para nos conduzir a Cristo, ela é quem nos direciona para Cristo e nos mostra que somos pecadores, merecedores da morte e que nos leva ao arrependimento diante de Deus.

Depois dessa transformação em nossas vidas, nós passamos a entender que o propósito de nossa vida é agradar a Deus, viver para Ele, portanto atender Seus requisitos. Como já disse e mostrei em textos do NT, sozinhos não somos capazes de atender a esses requisitos, mas, depois de nos arrepender dos pecados, o próprio Deus passa a habitar em nós por meio do Seu Espírito Santo e este, por sua vez, nos capacita a obedecer à Lei de Deus.

Os que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e os seus desejos.
Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito.

Gálatas 5:24-25

Sendo assim, agora entendemos o propósito de nossas vidas e portanto, mais do que nunca, zelamos por atender aos Seus requisitos, mas agora não mais com medo da condenação que a Lei nos trás, pois "não vivemos mais debaixo da Lei", mas sim por amor a Deus, por reconhecermos o quanto Ele nos ama, que a Lei também é uma expressão do amor dEle por nós, pois nos orienta em como fazer para agradar a Ele, e que hoje somos capazes de viver de forma a agradá-Lo, pois Ele mesmo habita em nós e nos capacita a obedecê-lo. Ainda que a gente ainda esteja preso a essa carne pecaminosa e ainda tenhamos atitudes que desagradem a Deus, essas atitudes já não são mais predominantes em nossas vidas, pois o Espírito de Deus nos leva ao arrependimento, mudança de vida e obediência a Ele e à Sua Lei.

Referências

¹ Além de nós recebermos a justificação pela graça, devemos dizer que o preço que tínhamos de pagar foi pago por completo! A nós não será cobrado mais "preço" algum, mas outra pessoa já pagou esse "preço" por nós, morrendo em nosso lugar!

Fale conosco. Hospedado pela Brasil Hospeda.