Se Cristo foi o sacrifício perfeito, o que Paulo quer dizer com "apresentar o corpo como sacrifício"?

Afinal, o cristão ainda precisa sacrificar algo?

Por Arlan Dantas
Categoria: Reflexões

Há algumas horas, assisti um vídeo do Tiago Arrais onde ele faz a comparação entre fé e legalismo (veja o vídeo aqui: https://www.youtube.com/watch?v=MPDqT_6txHE). Eu achei bem interessante o vídeo (apesar de não saber ao certo se concordo com ele em absolutamente todas as falas), mas durante ele inteiro uma coisa ficou me intrigando: Tiago traz a ideia de que os legalistas (pessoas que se apegam muito às regras/leis em si, nesse caso aos mandamentos deixados por Moisés e os profetas) várias vezes se apegaram aos mandamentos de forma errônea imaginando que era se esforçando para obedecer a esses mandamentos que alcançariam a salvação, isso principalmente depois da vinda de Cristo e com as leis que se referem aos sacrifícios, e isso em oposição aos cristãos verdadeiros, que compreendem que o sacrifício de Cristo na cruz foi a concretização de tudo o que precisamos para ter uma vida plena e de paz completa com Deus.

Acho que ficou meio confuso, né? Deixa eu tentar explicar isso rapidinho antes de a gente entrar para a minha questão em si... Ao longo do Antigo Testamento, Deus foi se revelando gradativamente aos que serviam a Ele e mostrando como queria que cada coisa funcionasse. Os famosos 10 mandamentos são bons exemplos de Deus mostrando os seus valores aos seres humanos, pois ali Ele sintetiza de uma forma muito interessante qual seria a conduta ideal de um ser humano na sua relação com o próprio Deus e também na relação com o próximo (outro ser humano).

Mas o que está em questão aqui são os sacrifícios que Deus instituiu como sendo parte do culto a Ele. Essa prática de sacrificar algo durante o culto era bem comum na época das histórias narradas na Bíblia e isso não só dentro do judaísmo, grande parte das religiões da época tinham o costume de oferecer sacrifício aos deuses, eles matavam alguns animais e, em alguns casos, os queimavam... Enfim, cada um tinha um procedimento específico, mas era comum o sacrifício de animais nas cerimônias religiosas daquele tempo.

E o Deus dos judeus naquela época (que é o mesmo Deus a quem servimos hoje) instituiu que nos cultos a Ele deveriam ser oferecidos sacrifícios, cada um de um tipo e por um motivo específico, como é enumerado nos livros de Números e Levíticos. Ele mesmo, quando estava dando outros mandamentos por meio do seu representante e líder do povo judeu, explica que "[...] é o sangue que fará expiação pela alma" (Lv 17:11), ou seja, segundo o próprio Deus, a morte de alguém é que purificaria o pecador de seus erros diante dEle, é isso que Paulo fala quando está escrevendo aos Romanos e diz que "o salário do pecado é a morte" (Rm 6:23), o preço que deve ser pago para que nossos pecados sejam perdoados por Deus é a morte de alguém puro, alguém sem imperfeições deve ser sacrificado em nosso lugar ou nós mesmo teremos que pagar com a morte eterna, onde não será mais possível obter o perdão de Deus e sofreremos eternamente distante dEle.

Contudo, nós compreendemos hoje que já houve sim alguém que se sacrificou e pagou o alto preço que custava a nossa vida de paz com Deus, Jesus Cristo, o próprio Filho de Deus, que veio à terra e viveu de forma perfeita, sem cometer nenhum pecado. Ele não desobedeceu a nenhum dos mandamentos instituídos por Deus e mesmo assim se entregou à morte para pagar o preço dos nossos pecados, além disso venceu a morte e ressuscitou ao terceiro dia, mostrando que Ele é mais poderoso que ela e capaz de nos conceder uma vida eterna, sem medo da morte, e perto de Deus!

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

João 3:16

Nesse ponto específico do vídeo, sobre não precisarmos mais de sacrifícios pois o sacrifício de Cristo na cruz já foi pleno, eu concordo com a ideia do Tiago. Realmente a gente não precisa mais sacrificar animais em nossos cultos a Deus pois a morte de Cristo na cruz já pagou o preço por todos os nossos pecados!

Mas se você é cristão há algum tempo, certamente já leu ou ao menos ouviu alguém falar sobre o texto de Romanos 12, mais especificamente os vv. (versículos) 1 e 2, que dizem:

Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.

Romanos 12:1-2

Aqui Paulo nos indica a fazer sim um sacrifício (e ainda especifica o tipo do sacrifício: vivo, santo e agradável a Deus)... Isso não seria uma oposição ao raciocínio desenvolvido pelo Tiago no vídeo e pela gente nos parágrafos acima? Na verdade, não! E é simples perceber isso, basta olhar o tipo de sacrifício que Paulo está falando: "sacrifício vivo"! Sim, eu sei que é estranho, concordo com você! Pois quando a gente fala de sacrifício, geralmente estamos se referindo a matar algo, né? É estranho, mas acredito que a gente vai conseguir entender...

Pra começar, vamos tentar eliminar algumas possibilidades. Primeiro, além de Paulo falar pra gente apresentar o corpo como sacrifício, ele fala que deve ser um sacrifício vivo então o suicídio não é uma possibilidade aqui! Em segundo lugar, Paulo não está se referindo à mutilação, não devemos mutilar nossos corpos pensando que isso vá agradar a Deus de alguma forma! O próprio, em outro lugar, fala que o ser humano cuida bem do seu corpo (Ef 5:29), zelando dele e alimentando-o, e aqui ele está falando de um "culto racional", isso é algo que você faz com seu intelecto funcionando corretamente, ou seja, mutilar ou maltratar o próprio corpo não seria uma ideia tão racional assim...¹

No capítulo 6 dessa mesma carta aos romanos, Paulo também fala de "apresentar o corpo" a Deus, só que usando outra figura de linguagem, mas acredito que se a gente der uma lida lá vai ajudar a entender melhor esse texto aqui do capítulo 12, olha:

Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça.

Romanos 6:12-13

No capítulo 6, nesses versículos e em outros que os seguem, Paulo usa uma linguagem de "instrumentos", "escravos", "serviço"... Esses termos vão ajudar a entender o que ele quer falar com "apresentar o corpo". Aqui nesse último versículo que citamos, ele fala para "apresentar [...] os nossos membros [do corpo: mãos, braços, pernas...] a Deus, como instrumentos de justiça", ou seja, nós devemos entregar os nossos membros a Deus para que com eles Ele opere a sua justiça, a forma como nosso corpo se comporta deve ser um meio de Deus operar no mundo ao nosso redor.

De volta ao capítulo 12, acredito que o Apóstolo também esteja falando de "apresentar" nesse mesmo sentido do cap. 6: se entregar a Deus para Ele fazer conforme deseja! Mas o que diferencia os textos desses capítulos é o que estávamos discutindo antes: a linguagem religiosa que Paulo coloca aqui no cap. 12 e é percebida pelos termos "sacrifício" e "culto".

Aqui é importante notar que Paulo gastou os capítulos anteriores a este (3-11) para mostrar que todos os homens, sejam eles judeus ou gentios, estão igualmente separados de Deus pelo pecado e a única forma de ter uma boa relação com Ele é por meio da fé em Cristo, no Seu sacrifício e no perdão de pecados. Isso quer dizer que qualquer religião fundamentada em qualquer outra coisa que não seja a compreensão e fé no sacrifício feito por Cristo para perdoar nossos pecados está incorreta! Eu escolhi dizer isso agora pois Paulo começa o cap. 12 falando que roga "pelas misericórdias de Deus", fazendo aqui uma referência a toda exposição que fez nos cap. 3-11 de que o perdão dos nossos pecados e consequente relação com Deus só é instaurada pela misericórdia de Deus e sua obra em Cristo Jesus.

Sendo assim, esse versículo nos mostra que, realmente, não existe mais nenhum outro sacrifício que precisamos fazer, para que recebamos o perdão dos nossos pecados! O sacrifício que fazemos, é, na verdade, uma resposta ao amor de Deus; é uma forma de mostrar que reconhecemos Sua misericórdia e que entendemos que Ele é o único que merece todo nosso esforço, merece nosso corpo, merece ser servido com nossos membros!

Mas uma pergunta que ainda fica é: por que Paulo usou o termo "sacrifício" aqui e não "entrega" como fez outrora? Como a gente viu, "sacrifício" se refere aos rituais que envolvem a morte de algo para agradar a algum deus, e aqui não é diferente! Por mais que, como a gente já falou, esse sacrifício não se refira à morte ou mutilação do nosso corpo físico em si, ele fala sobre a gente se matar em um outro aspecto.

O final do capítulo 7 (vv. 13-25) dessa mesma carta aos romanos nos ajuda a entender isso, aqui Paulo está falando que nele existem duas "forças" operando, uma que é disposta a agradar a Deus (consequência da habitação do Espírito no cristão regenerado) e outra que vai contra essa e luta para agradar à vontade do ser humano sem se importar com os valores divinos (chamado diversas vezes de "carne"). Assim, para entender o que seria o sacrifício que estamos estudando, olha o que diz Romanos 8:13: "Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis". Ou seja, o sacrifício que Paulo se refere seria da gente matar a nossa carne ou "mortificar as obras do corpo"! Quem deve ser morto em nosso culto a Deus é a nossa carne, são os nossos desejos que vão contra os valores dEle! Essa morte aconteceria justamente quando a gente entregar nossos membros para serem instrumentos de Deus, para fazer unicamente aquilo que Ele deseja, esse seria o sacrifício agradável a Ele!

Além disso, devemos notar que nós fazemos isso de uma forma consciente, esse é o nosso "culto racional", não é uma coisa que fazemos sem perceber ou "inconscientemente". Você deve se entregar a Deus espontaneamente, você deve se apresentar diretamente a Ele como um sacrifício vivo! Você pode fazer isso tendo a plena certeza de que Deus não só vai receber teu sacrifício como vai te fortalecer a se entregar cada dia de uma forma mais intensa e completa a Ele, pois Ele perdoa nossos pecados e nos purifica de toda injustiça (1 Jo 1:9)!

Para finalizar, queria te sugerir que pensasse um pouco sobre tudo o que a gente comentou aqui... Eu sei que foi muita coisa, mas mesmo assim, para um pouco pra pensar nisso! Você tem compreendido a obra de Cristo na cruz? Sem esta compreensão, jamais será possível que você tenha uma relação plena com Deus! Teu pecado te afasta dEle e é só por meio da verdadeira compreensão da obra de Cristo que você será perdoado. Se você já entendeu isso, como tem sido tua relação com Deus? Você entende que todo sacrifício que devia ser feito em teu favor já foi feito por Cristo na cruz e que tua relação com Deus agora é uma relação de Pai e filho? Por fim, a tua vida tem demonstrado uma entrega total a Deus? Teu corpo tem sido oferecido a Ele como um sacrifício vivo, santo e agradável a Ele?

Se você tiver dificuldade em compreender ou responder alguma dessas perguntas, se sinta à vontade para entrar em contato com a gente (arlan@verbus.net)! Essas são informações importantes e que você pode ter certeza que devem ser compreendidas para uma relação plena com o eterno Deus Criador!

Notas

¹ Talvez você pense que seja óbvio que essas opções sejam falsas, mas, na verdade, no mundo que vivemos, isso não é tão óbvio assim!

Fale conosco. Hospedado pela Brasil Hospeda.