O que devemos fazer para sermos salvos?

Uma reflexão com base no encontro entre Jesus e o jovem rico.

Por Arlan Dantas
Categoria: Reflexões

No desenvolver da nossa vida cristã, da nossa fé, nos deparamos com muitos questionamentos, muitos deles até comum a todos crentes. Entre tais pensamentos, muitos têm uma resposta rápida, outros não tão rápidas assim, algumas até aparentam ter uma resposta simples e rápida, mas quando vamos atrás delas percebemos que não são tão simples assim. A pegunta que vai ser tema para a nossa discussão hoje se faz presente na vida de muitos de nós: "O que devemos fazer para sermos salvos?".

Essa pergunta é respondida ao longo de toda a bíblia de várias "óticas" diferentes, além de todas elas indicarem para o mesmo ponto. Hoje vamos mostrar o ponto de vista mostrado por Cristo a um jovem rico, num encontro que é narrado nos evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas.

Pela narrativa dos capítulos dos três evangelhos, Jesus havia chegado há pouco tempo na região da Judéia, depois conversado com alguns fariseus e abençoado algumas crianças. Logo após, veio um rapaz rico e, segundo a narrativa em Marcos 10:17, ajoelhou-se aos Seus pés perguntando: "Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?". E Jesus, mudando um pouco o foco, responde: "Por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão um, que é Deus". Esse é um ponto que nessa passagem, talvez, fique um pouco ofuscado pelas informações passadas nos acontecimentos próximos, mas aqui Jesus deixa uma informação que é de primordial importância para o estudo de toda a Palavra de Deus: Jesus é Deus.

Há alguns dias eu estava conversando com um colega de outra religião que tem a bíblia como livro sagrado mas não crê que Deus é trino, portanto, não crê que Jesus é Deus (isso é estranho, mas existe...). E um dos versículos que ele usou pra "comprovar" a "não divindade" de Cristo foi esse que Jesus pergunta ao rapaz: "Por que me chamas de bom?". Segundo ele, Jesus está falando que não é bom, pois só quem é bom é Deus. Se observarmos um pouco, perceberemos que essa não é a melhor leitura para esse versículo, pois em momento algum Jesus nega a sua divindade, pelo contrário, ele apenas chama atenção para a afirmação do jovem: "bom mestre" e mostra que o único que pode ser chamado de bom é Deus. E se o rapaz o chamou de bom, estava igualando-O a Deus. Jesus não recusou a "adoração" dada pelo rapaz. Apenas usou-a para mostrar a quem estava ali que Ele é Deus.

Após esta "auto-afirmação", Jesus voltou à pergunta do jovem e, para respondê-la, passou a listar os mandamentos dados pelos profetas durante a antiga aliança: "Não matarás, não furtarás, não adulterarás, etc". Com essa resposta Jesus está afirmando que apenas crer nEle sem a obediência aos mandamentos dados por Deus de nada vale. Isso foi salientado pelos seus discípulos em suas cartas posteriores, como Paulo disse no versículo 31 do capítulo 3 da sua carta aos Romanos: "Anulamos, pois, a lei pela fé? Não, de maneira nenhuma! Antes, confirmamos a lei". Isso também foi afirmado por Tiago no capítulo 2 da sua epístola, no versículo 17: "Assim também a fé, se não tiver obras, por si só está morta". Além das afirmações posteriores, por parte dos apóstolos, o próprio Cristo já havia afirmado isso durante o sermão do monte: "Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim revogar, vim para cumprir", se realmente cremos em Cristo, obedeceremos os ensinamentos e mandamentos morais dados por Deus anteriormente.

Pela descrição dada por Marcos "[...] correu um homem ao seu encontro e, ajoelhando-se, perguntou-lhe [...]" fica-nos perceptível que esse jovem está bastante ansioso para obter essa resposta de Cristo. Não é narrado no texto, mas me ficou aparente que o jovem interrompeu a Cristo enquanto este listava os mandamentos, pois em todos os evangelhos que narram esta história só vemos Jesus listando alguns dos mandamentos antes do jovem responder: "Mestre, tudo isso já tenho observado desde a minha juventude", o rapaz estava ansioso para saber se precisava fazer algo mais para herdar a vida eterna, pois tudo o que já havia sido dito na antiga aliança ele estava obedecendo, apenas queria saber se isso bastava para alcançar a vida eterna. Então Jesus virou-se para Ele, demonstrando o seu amor Ágape, o amor de Deus aos homens, e respondeu ao jovem: "Só uma coisa te falta: Vai, vende tudo o que tens, dá aos pobres e terás um tesouro no céu; então, vem e segue-me". Ao ouvir esta resposta de Cristo, o mundo do jovem veio abaixo, a sua ansiedade agora foi substituída por uma imensa tristeza, a ponto de ele retirar-se sem dar mais nenhuma palavra.

Ao lermos essa passagem pensamos muitas coisas sobre a atitude do jovem rico, talvez até: "É assim mesmo... Realmente tem muita gente hoje que prioriza mais o que tem do que a Cristo", mas quantas vezes nós paramos para observar as nossas próprias atitudes? Quantas vezes já paramos para nos perguntar o que tem sido prioridade na nossa vida? Se nunca paramos, vamos parar um pouco agora... O que tem sido prioridade na sua vida? Se Jesus te mandar vender tudo o que tem para seguí-lo, o que você faria? O que tem sido prioritário na sua vida? Deus ou a sua família? Deus ou o seu trabalho? Deus ou seus estudos? Se Jesus mandasse você abandonar tudo o que já conquistou e seguí-lo, você seria capaz de abandonar?

Depois da resposta que deu ao jovem, Cristo faz uma afirmação: "Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!" isso assusta os que estão ao seu redor, mas Jesus repete novamente: "Filhos, quão difícil é entrar no reino de Deus!" e acrescenta: "É mais fácil um passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus", com estas afirmações Jesus assusta não só aos que estão ao seu redor mas a nós também. Existe uma afirmação por parte de alguns estudiosos de que essa "agulha" à qual Jesus se refere seja uma porta pequena no muro de Jerusalém, mas não existe nenhuma evidência que comprove isso, outros dizem que "camelo" é o nome utilizado para cordas muito grossas que também utilizadas em barcos. Logo, estando Jesus falando de um camelo enquanto animal ou de um camelo enquanto corda muito grossa, em ambos os casos ele está falando de impossibilidade; é impossível um camelo passar pelo fundo de uma agulha, assim como é impossível um rico, com seu amor às riquezas, entrar no reino de Deus.

Além disso, o que surpreende mais ainda os que estão com Cristo é o fato de que as riquezas eram, para os judeus, uma prova das bençãos de Deus para os seus servos. Então se nem os ricos, que eram "abençoados por Deus", poderiam entrar no reino dos céus, quem poderia? Essa é a pergunta feita pelos discípulos: "Então, quem pode ser salvo?", a resposta dada por Cristo é genial: "Para os homens é impossível; contudo, não para Deus, pois para Deus tudo é possível". Esta afirmação leva-nos para um ramo da teologia onde temos várias vertentes, várias visões diferentes, mas, observando esta afirmação feita por Cristo, percebemos de forma clara que para o homem não é apenas "difícil" se salvar, é impossível! A única fonte e o único meio de obtermos salvação é por meio de Deus, pois para Ele nada é impossível! A origem da nossa salvação não somos nós mesmo, é a cruz de Cristo! E o nosso arrependimento, e consequente salvação, não vem de nós mesmos, não vem das nossas forças, mas sim de Deus, do Espírito Santo que opera em nossos corações e nos leva ao arrependimento!

Depois de mais esta dura afirmação, Pedro, o discípulo que "está em todas", que sempre se manifesta em momentos polêmicos, afirma a Jesus: "Eis que nós tudo deixamos e te seguimos" com sua resposta, Cristo conclui o assunto e também a nossa reflexão: "Em verdade vos digo que ninguém há que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou mãe, ou pai, ou filhos, ou campos, por amor de mim e por amor do evangelho, que não receba, já no presente, o cêntuplo de casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições; e, no mundo por vir, a vida eterna".

Referências

Texto base: Marcos 10:17-30

Fale conosco. Hospedado pela Brasil Hospeda.